domingo, 21 de fevereiro de 2016

Participação em Curso sobre Doação de Órgãos

Depoimento gravado para não espíritas, profissionais de saúde,  no "Curso sobre doação de órgãos e tecidos para transplantes". Auditório HRN - Sobral, em Setembro de 2015:

Como espírita, minha família não teve qualquer receio do transplante de coração, ao qual meu pai sujeitou-se. Há alguns confrades que aterrorizam pessoas que necessitam de doação de órgãos, alertando para a possibilidade do Espírito doador ficar apegado ao receptor, causando uma espécie obsessão. Acreditamos que tal argumento, a impedir que se faça um bem, socorrendo um ser humano necessitado, não apenas é frágil, como é falta de caridade.
Se um desencarnado ficar conectado ao órgão que doou, isso não se deve à doação propriamente, mas ao seu apego à matéria, que existiria, mesmo que não tivesse acontecido o transplante. Ele certamente ficaria conectado ao corpo putrefato, sem ter, a seu favor, nem mesmo a bênção de um último gesto de desprendimento, como a doação de órgãos.
Quanto ao receptor, como qualquer pessoa, mesmo a que jamais se submeteu um transplante, terá sua proteção garantida pelo pensamento e a ação no bem, que Jesus denominou "orar e vigiar".

Nenhum comentário:

Postar um comentário